14 julho, 2010

"Mangue" nos mangues...

Ao contrário do que sugere o uso da palavra "mangue" quando refere-se a algo bagunçado, esse ecossistema costeiro não tem nada de desorganizado. Bagunça quem tá fazendo é quem o está destruindo...

Manguezais do mundo retrocedem a taxa alarmante, indica estudo

ABIDJAN (Reuters) - Os manguezais da Terra estão sendo destruídos até quatro vezes mais rápido do que as outras florestas, causando milhões de dólares em prejuízo em áreas de pescaria e proteção contra enchentes, informou um relatório na quarta-feira.

O estudo encomendado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e pelo The Nature Conservancy indicou que um quinto dos manguezais foi destruído desde 1980 e eles continuam a ser destruídos a uma taxa de cerca de 0,7 por cento por ano por atividades tais como a construção civil e a criação de camarões.

O relatório do "Atlas Mundial de Manguezais" observou que os manguezais fornecem um enorme conjunto de serviços econômicos, agindo como berçários de peixes, armazenando carbono e proporcionando defesas poderosas contra enchentes e ciclones numa época de elevação do nível dos oceanos.

As árvores e arbustos, que crescem em habitats costeiros, também fornecem madeira resistente.

"Dado o valor deles, não pode haver justificativa para mais perda de manguezais", disse Emmanuel Ze Meka, diretor executivo da Organização Internacional de Madeiras Tropicais, que ajudou a financiar o relatório.

O relatório citou evidências de que os manguezais reduziram o impacto do tsunami no Oceano Índico de 2004 em alguns locais.

O documento pede mais ação dos países -- em especial aqueles com os maiores manguezais, como Brasil, Indonésia e Austrália - para deter a retração dos estimados 150 mil quilômetros quadrados de cobertura de manguezal em todo o mundo.

"Os maiores impulsionadores para a perda dos manguezais são a conversão direta aos usos da terra para aquacultura, agricultura e urbano. As zonas costeiras normalmente são densamente povoadas e a pressão para uso da terra é intensa."

O texto citou a Malásia como o país que usa manguezais de propriedade do Estado para controlá-los melhor e evitar o seu declínio.

FONTE: http://noticias.uol.com.br/

10 julho, 2010

Internet - spam com português mal "dizido" que ninguém "correge"

A charge não é nova, mas a situação continua a mesma. Temos que tomar muito cuidado com os emails que recebemos, não sair por aí clicando em qualquer coisa. E mais fácil fica de identificar mensagens maliciosas quando estas estão assassinando a gramática. Tem cada pedrada...

09 julho, 2010

Lamentável...

Como o brasileiro (claro, não generalizando) tem a coragem de criticar políticos, chamando-os de corruptos se ele mesmo tem um comportamento desviado? Cada povo tem o governo que merece (ao menos, muitos pagam por vários outros). Pegam atestados médicos falsos par não irem trabalhar, compram objetos sabendo que esses são roubados, conseguem documentações falsas para conseguirem pensões do INSS, bolsa família e outros, furam fila, pagam "por fora", fingem dormir no ônibus para não dar lugar aos idosos ou a grávidas, etc, etc, etc, etc.

E, claro, não poderia faltar na lista os que se aproveitam da desgraça alheia:

Dois homens são presos por desviarem donativos que iriam para pessoas atingidas pelas chuvas em cidades de Pernambuco

Eles foram flagrados quando selecionavam produtos para uso próprio.
Dupla foi levada para delegacia de Cabo de Santo Agostinho (PE).


Dois homens foram presos, na noite da quarta-feira (07/07), após desviarem donativos que seriam levados para vítimas das enchentes em cidades de Pernambuco. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), a prisão foi feita na BR-101, em Cabo de Santo Agostinho (PE).

Os moradores das cidades de Pernambuco e Alagoas, que foram atingidas pelas chuvas, ainda enfrentam problemas. Ainda de acordo com a PRF, os dois trabalhavam como voluntários no transporte de donativos para a cidade de Palmares (PE).

Eles foram denunciados pelo funcionário de um posto de combustível, que achou estranho a ação da dupla, que estacionou o caminhão com os donativos e transferido parte das caixas para outros carros.

Após a prisão, ainda segundo a PRF, os dois teriam alegado que também eram vítimas das enchentes, que passavam por dificuldades e por isso estavam selecionando parte dos donativos para uso próprio.

O caminhão, a carga de donativos e os dois foram levados para a delegacia de Cabo de Santo Agostinho.


FONTE: http://g1.globo.com/

08 julho, 2010

Energia limpa no ar


Avião movido a energia solar consegue completar vôo noturno.

O Solar Impulse é tão leve como um carro médio de 1500 quilogramas mas tem uma envergadura de mais de 60 metros. O avião trabalha só a energia solar de dia e de noite.


O avião experimental aterrissou na manhã desta quinta-feira (8) no aeroporto da localidade suíça de Payerne, e completou sem problemas o primeiro voo noturno da história de uma aeronave movida unicamente por energia solar. O protótipo conseguiu manter-se no ar por 26 horas seguidas.

A aeronave - dotada com 12 mil células fotovoltaicas, de uma envergadura de 63,4 metros e 1,6 tonelada - decolou na quarta-feira (7) em condições meteorológicas ideais até os 8.700 metros de altura, um recorde para um aparelho deste tipo.

Seu objetivo era acumular energia solar necessária para manter-se no ar durante a noite. A aeronave tem quatro motores elétricos alimentados por baterias que são recarregadas pelas células que cobrem toda a sua asa.

O avião, pilotado por André Borschberg, realizou várias manobras durante seu voo noturno a uma velocidade de 50 km/h a fim de preservar ao máximo a energia que tinha acumulado.

FONTES:

http://quarksegluoes.blogspot.com/

http://g1.globo.com/mundo/

Onde a natureza mais atua...


Onde a Mãe Natureza gosta mais de atuar...




Haiti e Moçambique são os países mais afetados por ações da natureza Levantamento considerou desastres naturais ocorridos entre 1980 a 2010.


Países desenvolvidos, como Itália e EUA, tiveram mau desempenho
.

Haiti e Moçambique são os países economicamente mais ameaçados por desastres naturais, segundo um ranking divulgado no início desta quinta-feira (horário local) pela consultoria britânica Maplecroft. O relatório também apresenta resultados preocupantes também para alguns países ricos, como Itália e Estados Unidos.

A Maplecroft disse que o objetivo do novo índice é mostrar o impacto econômico de desastres ocorridos entre 1980 e 2010, como terremotos, inundações, secas, deslizamentos, epidemias, tsunamis e ondas de frio e calor extremos.

O Haiti, atingido por um forte terremoto em 12 de janeiro que deixou 300 mil mortos, lidera o ranking. Entretanto, mesmo sem o tremor, a rotineira exposição a furacões já bastaria para deixar o país caribenho perto do topo.

Moçambique, que sofreu uma severa inundação em 2000, quando pelo menos 800 pessoas morreram e os prejuízos chegaram a US$ 400 milhões, ficou em segundo lugar. Em seguida vieram Honduras, Vanuatu, Zimbábue, El Salvador e Nicarágua.

Entre os países industrializados, a pior situação foi a da Itália, 19ª colocada no ranking, principalmente por causa de terremotos e de uma onda de calor ocorrida em 2003, segundo a Maplecroft.

Os Estados Unidos, que sofrem enormes prejuízos econômicos por causa de furacões como o Katrina, de 2005, estão em 30º lugar. A China, onde em 2008 um terremoto matou quase 90 mil pessoas na província de Sichuan, ficou em 26o.

"O Katrina custou US$ 45 bilhões, enquanto o governo chinês estimou o custo do terremoto de Sichuan, em 2008, em US$ 123 bilhões," disse Anna Moss, analista ambiental da Maplecroft, em nota.

Moss disse que o índice se baseia em um banco de dados sobre desastres, chamado EM-DAT, com sede na Bélgica, mas que leva em conta também os prejuízos econômicos proporcionalmente ao PIB, o número de mortos e a frequência dos desastres.

Segundo ela, as empresas "precisam estar cientes dos impactos potenciais," para ajudar nos preparativos contra desastres e proteger seus funcionários e investimentos.

Países como Iraque, Kuwait e Finlândia, com baixa incidência de desastres naturais, foram considerados de baixo risco econômico sob esse indicador.

FONTE: http://g1.globo.com/mundo/noticia/


07 julho, 2010

Chuvas no Nordeste brasileiro - ajuda aos atingidos

Há semanas arrasando os estados de Pernambuco e Alagoas, as chuvas deixaram mais de 150 mil desabrigados ou desalojados.

Campanhas para arrecadação de alimentos, roupas, remédios e produtos de limpeza vêm acontecendo desde o início da tragédia. Muitas pessoas de vários estados estão ajudando, mas hoje os mais necessários são produtos de higiene pessoal e limpeza, pois o quadro de saúde nas cidades atingidas não é bom devido à falta de higiene adequada dos locais que abrigam as famílias.

Procure na sua cidade os postos de arrecadação de donativos e dê preferência a produtos de limpeza como sabonetes, sabão em pó, água sanitária, detergentes, dentre outros.

Defesa Civil encerra buscas por desaparecidos de enchentes em Alagoas

A Defesa Civil de Alagoas informou nesta quarta-feira (7) que foram encerradas as buscas por pessoas desaparecidas durante as enchentes no Estado. Segundo o órgão, o Corpo de Bombeiros segue de plantão, mas apenas para atuar mediante informações sobre a localização de possíveis corpos. De acordo com dados fornecidos pelos municípios atingidos, 69 pessoas ainda estão desaparecidas desde o dia 18 de junho.

Segundo a Defesa Civil, todas as áreas dos leitos dos rios que alagaram foram vasculhadas mais de uma vez por equipes em terra e em helicópteros. Mergulhadores e cães farejadores também participaram das operações.

De acordo com o major Sandro Cavalcante, chefe do setor de comunicação da Defesa Civil, as equipes já realizaram buscas em todos os vales do Mundaú e do Paraíba, incluindo as lagoas onde esses rios desembocam.

Cavalcante informou ainda que as equipes de militares de outros Estados, que vieram para Alagoas e participaram das buscas, já estão deixando o Estado.

Nesta quarta-feira (7), um corpo foi encontrado próximo ao rio Mundaú, no município de Murici, na zona da mata. O cadáver foi levado para o Instituto Médico Legal de Maceió, que deve apontar a causa da morte. Essa vítima ainda não foi contabilizada nos dados oficiais do órgão, que apontam 37 mortos.

Ontem (6) chegou a ser informado que um corpo foi encontrado no município de Branquinha, e que poderia ser uma nova vítima, mas a assessoria de comunicação do Corpo de Bombeiros retificou hoje, informando que se tratava de um animal.

Dados “superfaturados”

O município de Rio Largo, na região metropolitana de Maceió, registra o maior número de pessoas desaparecidas (41), mas a própria Defesa Civil municipal reconhece que pode haver excesso na contagem.

“Esse dado pode ser diferente, porque há famílias que informam o desaparecimento num primeiro, mas não vêm informar sobre o reaparecimento da pessoa. Por isso a gente apela para que essas pessoas venham até a Defesa Civil municipal e digam se esses desaparecidos foram encontrados”, disse o coordenador da Defesa Civil, Ivaldo Silva.

Segundo a Defesa Civil Estadual, as enchentes em Alagoas deixaram 37 mortos, enquanto em Pernambuco foram registradas 20 mortes. Ao todo, mais de 150 mil pessoas ficaram desabrigadas ou desalojadas nos dois Estados.

Matéria retirada de: http://noticias.uol.com.br/especiais/enchentes-no-nordeste/

10 junho, 2010

Cratera guatemalteca



No fim de maio, após a passagem da tempestade Ágatha, se abriu na cidade da Guatemala uma enorme cratera que vem sendo estudada por geólogos desde então. O buraco de 20 metros de diâmetro e 60 de profundidade engoliu um prédio e sumiu com uma esquina da cidade. A nova é que ela pode aumentar e engolir mais algumas contruções próximas.

Opinião de geólogos brasileiros:

O professor de geologia e diretor do Centro de Apoio Científico em Desastres da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Renato Lima, explicou que esse tipo de depressão recebe o nome técnico de dolina e ocorre em solos onde há rochas calcárias. “Essas rochas são dissolvidas pela passagem da água ao longo de milhares de anos. Às vezes, uma grande caverna desaba na profundidade e, na superfície, surge uma cratera. Geralmente, são bastante circulares”, disse.

Segundo o professor, o surgimento desse tipo de cratera é lento. “É mais comum que aconteça devagar, mas o solo pode entrar em colapso e desabar de repente”.

Professor do curso de geologia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Carlos Humberto afirma que a intervenção do homem acelera o desabamento. “Em todo lugar onde há rochas calcárias é possível acontecer esse tipo de cratera, mas é um processo lento e natural. No entanto, o homem pode acelerar o processo com intervenções no solo e antecipar o desabamento.”

Já o professor do departamento de geologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Thomas Ferreira da Costa Campos não acredita que a cratera na Guatemala tenha sido provocada por forças da natureza. Para o geólogo, provavelmente havia uma estrutura feita pelo homem, que pode ter cedido por infiltração de água.

“Eu imagino que era um grande poço construído há centenas de anos. Depois, esse poço foi coberto pelo solo. O teto cedeu pela infiltração de água e pelo peso das estruturas urbanas que estavam sobre ele. Então, tudo que estava em cima caiu”, disse.

O especialista estranha o formato do buraco. “A cratera é totalmente circular e as paredes são verticais. Ela fica no alto, em cima de uma ladeira, então não há água acumulada para fazer a terra ceder. Acredito que o buraco foi causado pelo desabamento de uma estrutura feita pelo homem. Nem uma cratera de um vulcão é tão retinha”, afirmou Campos.

De acordo com Campos, dependendo da estrutura geológica do solo, a água diminui a força de atrito das partículas, dissolve o material e provoca o desabamento. “Mas qualquer deslizamento segue a força da gravidade e as encostas estabelecem um equilíbrio a 45º. É estranho um formato cilíndrico tão vertical, com paredes tão retas”, disse.

Trechos de reportagem do G1. Íntegra aqui.

09 junho, 2010

Pela metade

Estudo: meio mundo pode ficar inóspito com mudança climática

O aquecimento global pode deixar até metade do planeta inabitável nos próximos três séculos, de acordo com um estudo das universidades de New South Wales, na Austrália, e de Purdue, nos Estados Unidos, que leva em conta os piores cenários de modelos climáticos.

O estudo, publicado na última edição da revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences, afirma ainda que, embora seja improvável que isso aconteça ainda neste século, é possível que já no próximo, várias regiões estejam sob calor intolerável para humanos e outros mamíferos.

"Descobrimos que um aquecimento médio de 7ºC causaria algumas regiões a ultrapassar o limite do termômetro úmido (equivalente à sensação do vento sobre a pele molhada, e um aquecimento médio de 12ºC deixaria metade da população mundial em um ambiente inabitável", afirmou Peter Huber, da universidade de Purdue.

Os cientistas argumentam que ao calcular os riscos das emissões de gases atuais, é preciso que se leve em conta os piores cenários (como os previstos no estudo).

"Roleta russa"
Quando o professor Huber fala em um aquecimento médio de 12ºC, isso significaria aumentos de até 35ºC no termômetro úmido nas regiões mais quentes do planeta. Atualmente, segundo o estudo, as temperaturas mais altas nesta medida nunca ultrapassam 30ºC. A partir de 35ºC no termômetro úmido, o corpo humano só suportaria algumas horas antes de entrar em hipertermia (sobre-aquecimento).

Huber compara a escolha a um jogo de roleta russa, em que "às vezes o risco é alto demais, mesmo se existe apenas uma pequena chance de perder". O estudo também ressalta que o calor já é uma das principais causas de morte por fenômenos naturais e que muitos acreditam, erroneamente, que a humanidade pode simplesmente se adaptar a temperaturas mais altas.

"Mas quando se mede em termos de picos de estresse incluindo umidade, isso se torna falso", afirmou o professor Steven Sherwood, da universidade de New South Wales. Calcula-se que um aumento de apenas 4ºC medidos por um termômetro úmido já levaria metade da população mundial a enfrentar um calor equivalente a máximas registradas em poucos locais atualmente.

Os autores também afirmam que um aquecimento de 12ºC é possível através da manutenção da queima de combustíveis fósseis.

"Uma implicação disso é que cálculos recentes do custo das mudanças climáticas sem mitigação (medidas para combatê-las) são baixos demais."

FONTE: http://noticias.terra.com.br/ciencia

08 junho, 2010

Será que foram eles?

Vulcões podem ter causado mudanças climáticas no passado?

Existe alguma evidência de um canal vulcânico ou câmara de magma que entrou em contato com um campo de petróleo ou gás? Haveria uma grande explosão se o petróleo vaporizado entrasse em contato com o ar da superfície da Terra, liberando dióxido de carbono e detritos de carbono? Isso pode ter levado ao um resfriamento global ou era do gelo?

Essa desastrosa cadeia de eventos provavelmente não ocorreu, na opinião de Nicholas Christie-Blick, professor de ciências ambientais e da terra do Lamont-Doherty Earth Observatory, da Universidade Columbia.

"A maioria do petróleo e do gás do mundo é encontrada em bacias sedimentares com pouca ou nenhuma atividade magmática, então casos em que o magma encontra o petróleo preso são certamente pouco comuns", ele disse. "Além disso, até mesmo em reservatórios, o petróleo é disperso nos poros entre as partículas sedimentares, enquanto os canais por onde passa o magma são comparativamente estreitos. Assim, um 'encontro direto' não necessariamente resultaria em uma grande explosão ou em alguma mudança irreconhecível no clima."

O comportamento de vulcões explosivos está mais associado a outros fatores, ele disse, e os efeitos climáticos dessas erupções tendem a durar de meses a anos, e não o período de 40 mil a 100 mil anos dos ciclos glaciais-interglaciais.

Recentemente, outras pessoas postularam que esses eventos relacionados aos vulcões podem ter causado grandes mudanças abruptas muito tempo atrás, disse Paul E. Olsen, geólogo e paleontólogo do observatório. Um dos melhores exemplos, disse Olsen, é discutido em um artigo de 2004 da revista Nature, por Henrik Svensen e colegas, sobre um evento ocorrido há 55 milhões de anos. Esses cenários são altamente controversos, e há ideias alternativas no mínimo igualmente viáveis, ele disse.

FONTE: http://noticias.terra.com.br/ciencia/

07 junho, 2010

Terra e Lua - senhoras de menos idade

Lua e Terra se formaram mais tarde do que se pensava, diz estudo
Sabia-se que colisão que gerou os astros ocorreu há 4,5 bilhões de anos.
Cientistas agora dizem que choque ocorreu 120 milhões de anos depois.


A Terra e a Lua foram criadas a partir de um choque fortíssimo entre dois planetas do tamanho de Marte e Vênus. Até agora se pensava que essa colisão havia ocorrido quando o Sistema Solar tinha cerca de 30 milhões de anos – cerca de 4.537 bilhões de anos atrás. Novos estudos mostram, contudo, que os astros se formaram até 120 milhões de anos depois dessa data.

A pesquisa, realizada pelo Instituto Niels Bohr, da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, foi publicada na revista científica "Earth and Planetary Science Letters".

"Nós determinamos a idade da Terra e da Lua usando isótopos de tungstênio, que podem revelar se o núcleo ferroso [dos planetas que se chocaram] e a sua superfície rochosa se misturaram durante a colisão", explica Tais W. Dahl, autor do estudo.

Contrariando pesquisas anteriores, Dahl mostra que a colisão não fez com que a camada de rochas e os núcleos se fundissem completamente durante o choque.

FONTE: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/

05 junho, 2010

5 de junho - Dia do meio ambiente


Em meio a tantas tragédias ambientais, o dia 5 de junho - dia do meio ambiente - ainda tenta lembrar à humanidade a necessidade dessa preservação.

...
...
...
...

Tá difícil...do jeito que as coisas vão...

04 junho, 2010

Vazamento de petróleo no Golfo - a saga continua

Vazamento de petróleo no Golfo do México triplicou de tamanho em um mês, diz estudo

O derramamento de petróleo no Golfo do México quase triplicou de tamanho em um mês e tem uma dimensão total de 24.400 km2, similar ao Estado de Maryland (nordeste dos EUA) ou mais que o dobro da ilha da Jamaica, segundo um estudo divulgado na quarta-feira 2 de junho.

Um conjunto de três imagens por satélite do vazamento tiradas durante 12 horas entre a noite de terça-feira e a manhã desta quarta-feira por um centro especializado em análises de satélites da Universidade de Miami (Cstars) indica que a maré negra "tem agora uma superfície de 9.435 milhas quadradas (24.435 km2), quase como o estado de Maryland".

"Uma parte do petróleo está se movendo em direção aos keys da Flórida", indicou o estudo do Cstars, concluído na manhã da quarta-feira.

FONTE: http://noticias.uol.com.br/

29 maio, 2010

Dia do Geógrafo

Profissão não muito respeitada, mas ainda assim nos faz feliz! Feliz dia dos geógrafos!!!

01 maio, 2010

Dia do Trabalho

Dia do trabalho

É comum as pessoas ficarem felizes quando conseguem um emprego, já que será a forma de ter autonomia econômica.

Mas é uma pena que muitos desses empregos acabem se transformando em exploração - salários baixos, acúmulo de funções, horas extras não remuneradas.

Situações como intrigas entre colegas, humilhações, constrangimentos sofridos - as famosas "marcações" do chefe - constituindo o assédio moral- fazendo com que o trabalhador chegue até a desistir do emprego.

Mas pior é quando ele nem sequer pode desistir, pois o mercado de trabalho para várias profissões/ocupações é tão desanimador que faria qualquer pessoa pensar duas vezes em abandonar o que naquele momento é o que ela tem de "seguro".

Quando se fala de diferença salarial entre gêneros ou etnia então... em pensar que ser mulher significa, no mercado de trabalho, ganhar menos que um homem exercendo a mesma função ou em ser um homem afrodescendente e por isso não ter oportunidades iguais aos demais. Se for ao mesmo tempo mulher e afrodescendente, pior ainda...

Pelo menos existe a licença maternidade e o auxílio creche para as trabalhadoras mães. Ao menos isso...

Isso tudo ainda sem citar os trabalhadores que ainda hoje, em pleno século XXI, são submetidos a trabalhos forçados em fazendas pelo interior do país. E ainda as crianças que também trabalham sob exploração ...

Do outro lado da moeda também temos empregados que se aproveitam de determinadas situações para levar "vantagens". Como exemplo podemos citar os espertos que faltam todo o tempo e apresentam atestados médicos falsos para ter "dias de folga" a mais no trabalho sem ter prejuízo financeiro e os caras de pau que faltam e não estão nem aí, sobrecarregando os colegas com os seus afazeres.

Outra classe pior são os que ficam num emprego por um determinado período de tempo para logo serem demitidos (provocando demissão) e passarem 3/4 meses recebendo seguro desemprego.

São tantos pontos para refletir nesse dia, não deveria ser visto apenas como uma data de folga a mais no calendário.

Cumprir deveres e ter direitos assegurados seria o ideal. Quem sabe um dia...

Essa é a forma que nos desejam feliz dia do Trabalho:
imagem retirada de: andreia1816.wordpress.com

E essa é a forma que gostaríamos que os trabalhadores brasileiros estivessem no dia do Trabalho:



Imagem retirada de:
misshalliday.wordpress.com/

Ana Patrícia

30 abril, 2010

Buracos negros

Descobertos buracos negros que "sobreviveram" a irmão maior


Imagens dos telescópios Chandra, da Nasa, e XMM-Newton, da Agência Espacial Europeia (ESA), mostram indícios de dois buracos negros de massa intermediária que "sobreviveram" a um buraco negro supermassivo. Segundo os cientistas, estas descobertas podem ajudar a explicar o crescimento dos buracos negros supermassivos que são encontrados nos centros das galáxias, inclusive na Via Láctea.

De acordo com a Nasa, é o primeiro caso em que há boas evidências para mais de um buraco negro de tamanho média em uma única galáxia, no caso, a M82. Um deles, chamado de X42.3+59, tem uma massa estimada entre 12 mil e 43 mil vezes a do Sol e está a uma distância projetada em 290 anos-luz do centro do aglomerado de estrelas.

De acordo com os cientistas, a essa distância, se o buraco negro nasceu ao mesmo tempo que a galáxia e sua massa era de aproximadamente 30 mil vezes a do Sol, ele deveria ter sido atraído para o centro da galáxia, mas "escapou". O outro buraco negro, o X41.4+60, está a 600 anos-luz do centro da M82 e teria entre 200 e 800 vezes a massa do Sol.

Segundo a Nasa, o resultado é interessante porque pode ajudar a esclarecer como se formam os buracos negros supermassivos que são encontrados nos centros das galáxias. A M82 está a cerca de 12 milhões de anos-luz da Terra e é o lugar mais próximo onde as condições são similares àqueles do universo jovem, com uma grande quantidade de formação de estrelas.

FONTE: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/

Alianças eleitorais...

Charge: Ivan Cabral.

Mancha de petróleo no Golfo do México

A plataforma que explodiu no Golfo do México no dia 22 de abril vem, desde então, derramando petróleo no mar. A mancha ameaça estados americanos.

Mais um desastre ambiental na conta...




Notícia (fragmento):

Cinco mil barris (quase 800 mil litros) de petróleo jorram diariamente no mar do Golfo do México depois da explosão de uma plataforma, na semana passada. O vazamento é cinco vezes maior que o previsto e foi considerado catástrofe nacional pelo governo norte-americano.

Os ventos empurram o óleo para o continente, a poucos quilômetros da área de pântanos no delta do Rio Mississipi. Autoridades disseram que farão de tudo para manter o tráfego aberto no rio.

Até agora os esforços para conter o avanço da mancha, que incluem até uma barreira de lona, foram insuficientes. O governo americano reforça a ajuda à região para tentar evitar um desastre ambiental ainda maior.

FONTE: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/

27 abril, 2010

Economia - Taxa Selic

Como a taxa Selic afeta a vida do consumidor
Taxa é usada pelo governo como forma de controlar a inflação.

Selic dá a medida das outras taxas de juros, como cheque especial.


O que é a Selic?

A taxa Selic é a média de juros que o governo brasileiro paga por empréstimos tomados dos bancos. Quando a Selic aumenta, os bancos preferem emprestar ao governo, porque paga bem. Já quando a Selic cai, os bancos são "empurrados" para emprestar dinheiro ao consumidor e conseguir um lucro maior. Assim, quanto maior a Selic, mais "caro" fica o crédito que os bancos oferecem aos consumidores, já que há menos dinheiro disponível.

Por que a Selic é importante para a política econômica?

O governo usa essa taxa como instrumento para controlar a inflação. Se a Selic é alta, há menos dinheiro circulando e menos procura por produtos e serviços à venda. Se a demanda é menor, os preços caem.

A Selic também ajuda a controlar a entrada de investimentos estrangeiros. Quem investe em títulos brasileiros ganha com os juros altos, o que faz entrar mais dinheiro no país. Quanto mais dólares entram no país, menor a cotação dessa moeda por aqui.
Por que tanta gente reclama dos juros altos?

Os juros altos diminuem o consumo, o que prejudica as vendas e as empresas. Se as empresas não crescem, há mais desemprego, e a economia encolhe. Além disso, o investimento estrangeiro que entra no país por causa dos juros altos é especulativo. Esse dinheiro pode sair daqui a qualquer momento; é diferente do capital que entra para construir uma fábrica ou melhorar uma empresa.

E para o consumidor, que diferença isso faz?

É a Selic que dá a medida das outras taxas de juros usadas no país: do cheque especial, do crediário, dos cartões de crédito, da poupança. É a partir dela que os bancos calculam quanto cobrarão de juros para conceder um empréstimo. Quanto menor a Selic, mais "barato" fica para o consumidor fazer um empréstimo ou comprar a prazo.

Mas essa relação não é direta. Quando o Banco Central reduz a Selic, essa queda demora a chegar ao consumidor. Isso acontece porque os bancos também cobram, em forma de juros, impostos (IOF), inadimplência, seus custos e seu lucro. Essa diferença entre o que o banco paga ao tomar um empréstimo e o que ele cobra ao conceder um empréstimo é o chamado "spread bancário".

Também dá para ganhar com a Selic alta?

Como a Selic também influencia os juros que os bancos pagam quando emprestam dinheiro de alguém, o consumidor também pode ganhar com isso. Em geral, quanto maior a Selic, maior o rendimento das aplicações de renda fixa, como poupança e CDBs.



FONTE: http://g1.globo.com/economia-e-negocios/

22 abril, 2010

22 de abril - Descobrimento do Brasil?


Além do Dia da Terra, hoje comemora-se (?) (será que alguém lembra disso?) o "Descobrimento do Brasil", (como se houvesse algum cobertor tão grande...hehehe) pelos portugueses. Duas piadas para o mesmo dia...

Dia da Terra

Deve ser mais ou menos assim que o planeta está se sentindo hoje...

O que adianta dedicar uma data especial para o planeta e continuar desrespeitando-o? Não há o que comemorar.

19 abril, 2010

Aquífero Alter do Chão: provavelmente o maior do mundo em volume d'água

Aquífero na Amazônia pode ser o maior do mundo, dizem geólogos
Reserva Alter do Chão tem volume de 86 mil km³ de água potável.
Quantidade permitiria abastecer população mundial por 100 vezes.


Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA) apresentou um estudo, na sexta-feira (16), que aponta o Aquífero Alter do Chão como o de maior volume de água potável do mundo. A reserva subterrânea está localizada sob os estados do Amazonas, Pará e Amapá e tem volume de 86 mil km³ de água doce, o que seria suficiente para abastecer a população mundial em cerca de 100 vezes, ainda de acordo com a pesquisa. Um novo levantamento, de campo, deve ser feito na região para avaliar a possibilidade de o aquífero ser ainda maior do que o calculado inicialmente pelos geólogos.

Em termos comparativos, a reserva Alter do Chão tem quase o dobro do volume de água potável que o Aquífero Guarani - com 45 mil km³ de volume -, até então considerado o maior do país e que passa pela Argentina, Paraguai e Uruguai. "Os estudos que temos são preliminares, mas há indicativos suficientes para dizer que se trata do maior aquífero do mundo, já que está sob a maior bacia hidrográfica do mundo, que é a do Amazonas/Solimões. O que nos resta agora é convencer toda a cadeia científica do que estamos falando", disse Milton Matta, geólogo da UFPA.

O Aquífero Alter do Chão deve ter o nome mudado por ser homônimo de um dos principais pontos turísticos do Pará, o que costuma provocar enganos sobre a localização da reserva de água. "Estamos propondo que passe a se chamar Aquífero Grande Amazônia e assim teria uma visibilidade comercial mais interessante", disse Matta, que coordenou a pesquisa e agora busca investimento para concluir a segunda etapa do estudo no Banco Mundial e outros patrocinadores científicos.

Fonte: g1.com

Mais em: Aquífero Alter do Chão

15 abril, 2010

Acordo anti-amas nucleares

Os quatro elementos em ação

Água, terra, fogo e ar. Os quatro elementos estão agitados ultimamente. Muita chuvas no Brasil, Terremotos, o último na China, Tufão na Índia, Vulcão na Islândia.

O planete está se movimentando muito desde o início desse ano. Alguns falam em profecias do 'fim do mundo', muitos outros em 'consequências das mudanças climáticas' e ainda outros dizem que está tudo normal.

Normal ou não, o fato é que esses eventos sempre mostram ao homem o quanto ele é frágil em relação à força da natureza. Vamos ver no que dá...

Notícias mais recentes sobre esses eventos:

Vulcão em erupção na Europa

Terremoto na China

Tufão na Índia

Chuva no Brasil

Dilúvio do Rio vai para a Bahia

Deslizamentos de terra, alagamento, enchentes de rios são os acontecimentos mais comuns no estado da Bahia nessa semana.

Depois dos estragos causados no Rio de Janeiro pela chuva, agora a Bahia também está com vários municípios e sua capital embaixo d'água.

Ontem, 14 de abril, na cidade de Santo Amaro da Purificação, terra de Dona Canô, os rios Sergimirim e Subaé, que cortam a cidade, subiram e deixaram a cidade em estado de emergência.





Avenida Ruy Barbosa, Bonfim - Santo Amaro/Ba



Os pedestres andavam com água quase no joelho.

Fotos: Ana Patrícia

07 abril, 2010

Dilúvio no Rio

Mais um dilúvio cai sobre o Rio de Janeiro e deixa muitos mortos e um grande prejuízo.


A geografia da cidade do Rio de Janeiro não favorece em momentos de muita chuva. Como a maioria dos morros da cidade é de formação rochosa, a pequena camada de terra onde cresce a vegetação não consegue absorver um grande volume de água.

Sismógrafos naturais

Vou pegar um pra mim...


Sapos foram capazes de prever terremoto em L'Aquila, afirma estudo
Cinco dias antes do tremor, número de machos caiu 96%.
Três dias antes do sismo, número de casais caiu para zero.

O comportamento dos sapos durante o período de acasalamento pode possibilitar "prever o imprevisível", ou seja, um sismo, segundo estudo publicado por pesquisadores de uma universidade britânica.

Uma "alteração brusca no comportamento" dos sapos comuns machos (Bufo-bufo) foi percebida "cinco dias antes do sismo" ocorrido na cidade italiana de L'Aquila , no dia 6 de abril de 2009, de acordo com a equipe que vigiava esses anfíbios em seu local de reprodução.

Os resultados obtidos sugerem que "os sapos comuns Bufo-bufo são capazes de pressentir eventos sísmicos importantes e de adaptar seu comportamento em consequência", disse a bióloga Rachel Grant da Universidade Open, em Milton Keynes, Reino Unido.

Junto de seu colega Tim Halliday, da Oxford, ela observava por vários dias os animais a 74 quilômetros de Áquila, no momento em que a cidade foi surpreendida pelo terremoto de magnitude de 6,3 graus, que fez 299 vítimas.

Cinco dias antes do tremor, o número de sapos machos presentes no local de reprodução brutalmente reduziu em 96%, um comportamento "altamente incomum" para esses anfíbios, segundo o estudo publicado no "Journal of Zoology".

"Uma vez que os sapos chegam para se reproduzir, eles ficam habitualmente ativos em grande número no local de reprodução até que o período de acasalamento termine", lembraram Grant e seu colega da Oxford.

Nos três dias precedentes ao tremor, o número de casais caiu para zero.

Depois de terem abandonado o local com a proximidade do sismo, os machos retornaram para lá timidamente na lua cheia. Mas eles eram bem menos numerosos que nos anos anteriores: somente 34, contra 67 a 175 sapos contados no passado.

No dia 15 de abril, tendo se passado vários dias após o terremoto e dois dias depois da sua última réplica importante, o número de sapos continuou mais baixo que de costume.

Os pesquisadores confessam que não sabem ao certo "qual sinal ambiental" os sapos captaram com "tanta antecedência". Mas eles destacaram que a baixa das atividades dos anfíbios coincidiu com as "perturbações pré-sísmicas na ionosfera", camada superior da atmosfera onde os gases são ionizados (elétricos).

Essas perturbações detectadas em radiofrequências baixas podem estar ligadas a vazamentos de radônio, gás radioativo que surge do subsolo terrestre, ou às ondas gravitacionais.

Outros animais como elefantes, peixes, serpentes ou lobos também foram estudados no passado à procura de sinais precursores de sismo, sem, entretanto, fornecer dados tão concretos como os dos sapos.

FONTE: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/

06 abril, 2010

Os pólos da Terra vigiados do Céu

Novo satélite europeu fornecerá informações mais precisas sobre polos
CryoSat analisará as camadas de gelo da Terra com sofisticação inédita.


O CryoSat, o satélite mais complexo já criado para analisar as camadas de gelo da Terra, será lançado ao espaço na quinta-feira (8) com o objetivo de proporcionar dados úteis para evitar o derretimento dos polos.

O satélite vai realizar uma das seis missões de observação da Terra do programa Planeta Vivo da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) e é a ferramenta mais avançada da história para "saber quanto gelo está desaparecendo das calotas polares", explicou à Agência Efe o chefe de manutenção dos satélites do programa, Miguel Canela.

A camada de gelo que cobre o oceano Ártico chegou a índices mínimos históricos nos últimos verões e, embora a observação da cobertura de gelo do espaço não seja novidade, "é necessário determinar a variação da espessura do gelo" para entender melhor a mudança climática, diz a ESA.

O CryoSat - nome inspirado na palavra grega 'kryos' (frio ou gelo) - fornecerá informações, por exemplo, sobre a Corrente do Golfo, que provoca um aumento de seis ou sete graus na temperatura na Europa Ocidental "acima do que corresponderia pela latitude", relata Canela, e que provocaria alterações climáticas caso afetada.

Além disso, o satélite oferecerá dados com precisão de um centímetro sobre as variações da espessura do gelo, que pode alcançar cinco quilômetros na Antártida, e ampliará os conhecimentos sobre a salinidade dos oceanos.

Três meses após seu lançamento a partir da base russa de Baikonur, no Cazaquistão, os cientistas poderão conhecer mais sobre o efeito das placas polares como "espelho" das radiações solares e defesa natural contra o aquecimento global.

A superfície clara do gelo permite que parte das radiações solares rebata e retorne à atmosfera, enquanto as zonas terrestres as absorvem, descreve Canela.

O derretimento dos polos dá origem a um círculo vicioso: quanto mais gelo derrete, mais radiações a Terra absorve, mais severa é a mudança climática e mais rapidamente as calotas polares diminuem.

Alguns cientistas opinam que já chegamos ao ponto de não retorno, embora "ainda haja mais otimistas que pessimistas".

Entretanto, o desaparecimento dos polos, que fazem com que o nível do mar aumente por volta de três milímetros cada ano, não é a única ameaça oferecida pelos polos Norte e Sul.

Em 2007, o degelo da superfície gelada do oceano Ártico fez com que, pela primeira vez na história, a rota marítima do noroeste se abrisse, abrindo um ponto de passagem de mercadorias para os Estados que querem explorar comercialmente o aquecimento global.

No entanto, Canela lembra que, "politicamente falando, ninguém é proprietário do polo Norte".

Outra batalha será pelo controle dos hidrocarbonetos existentes sob as calotas polares. "Sob a Antártida há, provavelmente, petróleo e gases que podem ser muito interessantes", conta Canela.

Esses interesses econômicos darão lugar a "grupos de pressão", acrescenta o cientista, ao advertir que há "regiões do mundo onde (a mudança climática) tem um efeito devastador e outras onde é muito rentável a médio ou longo prazo".

As estimativas do Instituto de Pesquisas Geológicas dos Estados Unidos apontam que há sob o Círculo Polar Ártico 90 bilhões de barris de petróleo, o suficiente para satisfazer a demanda mundial durante três anos.

Não por acaso, os países que circundam o Oceano Ártico - Rússia, Canadá, Dinamarca (com a Groenlândia, seu território), Noruega e EUA - já disputam o controle da região.


FONTE: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/

Plunct Plact Zum - o foguete brasileiro

Tem que ser selado, registrado, carimbado
Avaliado, rotulado se quiser voar!

Só faltou o Raul Seixas pra carimbar...



Brasil terá seu próprio foguete espacial
Propulsor servirá para colocar em órbita pequenos satélites.

Daqui a quatro anos o Brasil será capaz de lançar seu próprio foguete para colocar um satélite em órbita, informou ao G1 a Agência Espacial Brasileira (AEB). O propulsor será uma versão repaginada do VLS (Veículo Lançador de Satélite), da mesma família do foguete que explodiu em Alcântara (MA) em 2003, matando 21 pessoas.

“De 2003 para cá houve uma grande revisão do projeto do VLS”, conta o diretor de política espacial e investimentos estratégicos da AEB, Himilcon Carvalho.

O primeiro teste com o VLS-1, como é chamado o foguete, está previsto para 2012, informa Carvalho. Nessa fase, serão acionados apenas os dois primeiros estágios do propulsor, que ficam na parte inferior. Em 2013 se prevê um voo com a carga total, mas ainda experimental. “Em 2014 vamos poder colocar um satélite em órbita”, afirma.

FONTE: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/

Black pixel - ajude a economizar energia

O Greenpeace criou uma maneira fácil de ajudar a economizar energia. O Black Pixel é um software instalado no computador que mantém um quadradinho preto na tela, economizando 0,057 watts/hora, o que parece pouco, mas juntando com vários outros pc's utilizando o recurso, faz grande diferença. Válido somente para monitores de tubo ou plasma.


Eleições 2010 - a corrida começou...

Retirado de: www.guarujaenses.blogspot.com

05 abril, 2010

E a Terra tremeu (de novo)

Depois dos terremotos de grande magnitude e prejuízos (humanos e materiais) no Haiti e no Chile, agora a terra tremeu entre os EUA e o México, na região da Baixa Califórnia, fronteira entre os dois países.

Parece que esse ano a Terra resolveu dar uma "arrumadinha" na casca...

Notícia em:
http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/

01 março, 2010

Casa de plástico

Seria muito interessante se esse projeto fosse bem aceito em todo o planeta, visto que o lixo que a humanidade produz já ultrapassou os limites do aceitável.

Com esse novo método de construção, ao menos poderíamos reciclar os resíduos, diminuindo a poluição de rios, mares e solo, e por tabela reduzir o número de pessoas sem moradia. Mas isso contando que não façam desse novo método de construção uma nova forma de "facada no bolso" imobiliária.

Empresa galesa faz casa com 18 toneladas de plástico reciclado

Segundo fabricantes, novo material é resistente e pode revolucionar mercado.

ma empresa do País de Gales, na Grã-Bretanha, construiu uma casa com 18 toneladas de plástico reciclado.

A companhia Affresol desenvolveu uma tecnologia que transforma plástico e minerais em um material batizado de Thermo Poly Rock, que poderia revolucionar a indústria de construção.

O projeto, apoiado pelo governo galês e por organizações ambientais, já lançou uma linha de casas verdes e construções modulares portáteis de quatro toneladas.

O secretário da Economia do país de Gales, Ieuan Wyn Jones, disse que "o novo processo sustentável" tem muito potencial e pode gerar uma grande quantidade de empregos.

Patente

A empresa diz que o processo tem baixo consumo de energia e transforma plástico em um material durável e resistente.

As placas de Thermo Poly Rock formam as paredes de sustentação da casa, que pode ser coberta externamente com tijolos ou pedra, enquanto o interior pode ganhar uma camada de isolamento térmico e ficar com a mesma aparência de uma casa tradicional. As telhas também são feitas de material reciclado.O diretor-gerente da Affresol, Ian McPherson, diz que o novo material é mais leve e resistente que concreto, é térmico, impermeável, não-inflamável e não apodrece.A empresa estima que a vida útil das casas seja de cerca de 60 anos, mas diz que os elementos do Thermo Poly Rock podem ser novamente reciclados ao fim deste período."Todos os países do mundo têm problemas com lixo e agora temos a oportunidade de transformar este lixo em um recurso de construção de moradias 100% reciclável", diz McPherson.

Agora a empresa aguarda aprovação para construir 19 casas em Merthyr, no País de Gales, como parte de um projeto-piloto.

FONTE: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/

25 fevereiro, 2010

Telefonia e internet no Brasil estão entre as mais caras do mundo


O preço que o brasileiro paga pelos serviços de telecomunicações (internet banda larga, telefonia fixa e celular) caiu no ano passado em relação a 2008. Mesmo assim, o Brasil ainda tem um dos custos mais altos do mundo para esses serviços e o acesso ao celular no Brasil ainda está uma década atrasado em comparação aos países lideres no uso da tecnologia.

O alerta faz parte do raio x anual produzido pela União Internacional de Telecomunicações sobre tecnologias da informação, considerada a avaliação mais completa do mercado. Para a entidade, o Brasil ainda não completou sua liberalização do mercado para operadores, e a falta de concorrência em algumas áreas ainda é um obstáculo. A taxa de penetração de celulares, por exemplo, é equivalente ao que Hong Kong, Itália, Luxemburgo ou Emirados Árabes tinham em 2000.

O Brasil subiu de forma marginal no ranking que mede a preparação de cada país em termos de tecnologia de comunicação, passando do 61º lugar para o 60º entre 2008 e 2009. Mas o País ainda não voltou à posição que tinha em 2002, quando estava entre as 50 economias mais competitivas nesse setor. O motivo da queda seria a relativa baixa educação da população, que prejudica o uso de novas tecnologias.

Outro fator é o custo ainda cobrado por operadoras que prestam serviços de comunicações. No geral, um brasileiro gasta 4,1% de sua renda para pagar por tecnologias de comunicação, taxa superior à de 86 outros países. A taxa é a pior entre os países do Bric, e perde também para Argentina e Irã, por exemplo. Proporcionalmente, um brasileiro gasta mais de dez vezes o que um cidadão europeu ou canadense gasta para se comunicar. Mas a boa notícia é que o custo vem caindo. Em 2008, o custo era de 7,6% da renda do brasileiro.

Segundo a UIT, o preço médio do serviço celular no Brasil caiu 25% em comparação à renda da população - mesma queda verificada na média mundial. Hoje, um brasileiro gasta em média 5,66% da renda para usar o serviço, contra 7,5% em 2008. A taxa é mais de cinco vezes a que as operadoras cobram na Europa, e apenas 40 países de um total de 161 economias analisadas tem serviço de telefonia móvel mais cara que o Brasil - quase todos as economias mais pobres do mundo. Em Mianmar, por exemplo, o custo do celular chega a 70% da renda média de um cidadão.

Entre 2008 e 2009, o Brasil foi um dos 20 países que mais cortaram custos com celulares. Mas, ainda assim, todos os países do Bric e todos os sul-americanos pagam menos pelo celular que os brasileiros. A Bolívia é a única na região que tem um celular mais caro. Macau, Hong Kong, Dinamarca e Cingapura são os locais mais baratos para o celular, onde o serviço é responsável por meros 0,1% da renda média.

Hoje, 78% dos brasileiros têm um celular, contra 63% em 2008. Em 2002, essa taxa era de 19,5%. Em 2009, 4,6 bilhões de celulares estavam em funcionamento no planeta. Este ano, o número chegará a 5 bilhões.

No Brasil, o preço do telefone fixo ainda sofreu a segunda maior queda no mundo entre 2008 e 2009. A redução foi de 63%, superado apenas pela Rússia. O custo médio passou de 5% da renda de uma família para 2,1% em 2009. Diante da queda, o número de telefones aumentou. Em 2007, eram 20% da população com telefone fixo. Em 2008, essa fatia chegou a 21,7%. Mas 85 países ainda têm tarifas mais baratas que as do Brasil.

INTERNET

Em termos de acesso à internet em banda larga, a UIT aponta que os custos no Brasil estão bem acima da média dos países ricos. Uma assinatura de banda larga exigia 9,6% da renda de um brasileiro em 2008. Em 2009, a taxa caiu para 4,58% da renda, uma redução de 52%.

Entre todos as economias analisadas, a UIT estima que 70 países têm um serviço de internet mais barato que o do Brasil. Outros 91 países têm uma internet ainda mais cara que no País, entre eles a China e Índia, em comparação à renda.

Para a UIT, o acesso à banda larga é o real espelho do desenvolvimento de um País na difusão da internet. E, nesse critério, a situação brasileira ainda está longe do ideal. O acesso passou de 4% da população em 2007 para 5,2% em 2008. No Brasil, o custo médio é de US$ 28,00. Nos países mais caros, a banda larga ainda pode custar US$ 1,8 mil por mês, como em Burkina Fasso, ou US$ 1,6 mil em Cuba.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo


FONTE: http://br.noticias.yahoo.com/

24 fevereiro, 2010

Roubo de água na Amazônia: especulação ou realidade?

A água da Amazônia está sendo roubada?

Estima-se que 1,5 bilhão de seres humanos já não disponham de água suficiente para suas necessidades essenciais. Significa que, de cada 5 habitantes da Terra, um não tem água nem para beber. Esse contingente, que equivale à população do maior país do mundo, a China, vai precisar resolver esse problema vital de alguma maneira. Pela via pacífica ou através da força. A próxima guerra será pela água, anuncia um número crescente de profetas, baseados mais na correlação lógica de fatores do que numa análise minuciosa e específica das situações.

Este é o mesmo método que utilizam para apontar o sítio dessa próxima guerra: a Amazônia. Nada mais lógico: a bacia amazônica, que se espraia por nove países da América do Sul, mas tem dois terços das suas águas drenadas no território do Brasil, representa 68% da massa de água doce superficial do nosso país e de 8% a 25% (conforme as diferentes avaliações) do total do planeta. Sua principal riqueza ou está escondida no subsolo, em depósitos de minérios, ou na sua floresta tropical, um terço do que ainda subsiste sobre a superfície terrestre. E a mais rica em biodiversidade. Um tesouro difícil de ser protegido, sujeito a todas as formas de roubo.

A mais nova seria a do bem mais abundante e de fácil apropriação. Seguidas denúncias, apregoadas pelas vozes mais distintas, têm assegurado que já seria “assustador” o tráfico de água doce da Amazônia para o exterior. O alerta mais recente foi feito no final do ano passado pela revista jurídica Consulex. Ela garantia que algumas empresas já praticam com desenvoltura essa forma de roubo, que já tem denominações como hidropirataria e bioinvasão.

A atividade ilegal estaria sendo praticada por navios com capacidade de armazenar 250 milhões de litros (ou 250 mil metros cúbicos) de água, que uma empresa da Noruega forneceria para clientes na Grécia, Oriente Médio, Ilha da Madeira e Caribe. Por sair pela metade do custo da dessalinização, o roubo de água teria se tornado atraente no comércio com países carentes de água doce superficial.

A matéria da revista é rica em detalhes e conjecturas, mas não o bastante para convencer sobre o que relata, ecoando denúncias já numerosas. Claro que o acervo de água da Amazônia é questão transcendental. Exige atenção, seriedade, prioridade e investimentos. Todos esses elementos são de enorme deficiência atualmente. O Brasil tem mais de 120 comitês de bacia. Só um deles fica na Amazônia e tem ação urbana, na cidade de Manaus. É um despropósito paradoxal com o significado mundial da bacia amazônica.

Os escassos investimentos em manejo de água na região não permitem um conhecimento adequado sobre os seus recursos hídricos. O interesse mundial cresce numa velocidade muito superior à da atenção nacional. Mesmo as denúncias mais detalhadas, como a da Consulex, porém, ainda se revelam meramente especulativas, quando não totalmente fantasiosas. Devem servir de alerta para o problema, se – e quando – ele surgir.

Até agora, não há nenhum caso comprovado de roubo de água amazônica em território nacional, incluindo o mar de 200 milhas. Os grandes navios (1.200 por ano) entram na região em busca de outros recursos naturais, principalmente minérios e madeira, atracando em cinco portos de grande movimentação. Não têm espaço característico – nem tonelagem necessária – para acumular água – e em escala comercial.

A única área que poderia proporcionar essa pirataria é a foz do Amazonas, onde está a maior ilha fluvial do mundo, a de Marajó, com 50 mil quilômetros quadrados. Nela, o grande rio chega a despejar mais de 200 milhões de litros de água por segundo, no auge da cheia. Não há qualquer caso concreto de um superpetroleiro que tenha estacionado nesse local para se abastecer de um volume como os 250 milhões de litros citados. Pode parecer muito, mas esse volume de água equivale a menos de meio segundo de descarga na vazão máxima natural que o rio Tocantins já alcançou no local onde foi construída a barragem da hidrelétrica de Tucuruí, a quarta maior do mundo, em 1980.

Não parece um grande negócio, capaz de justificar o investimento e o risco, ainda que o patrulhamento da costa amazônica seja deficiente (o que induziu no projeto de criação da nova esquadra da Marinha, prevista para ter sua sede em São Luís do Maranhão e não em Belém, como pareceria mais lógico). A Capitania dos Portos do Pará assegura que fiscaliza todos os navios que entram e saem da região e que, por amostragem, acompanha a qualidade da água que carregam em seus porões como lastro. As normas internacionais autorizam essa operação, que constitui prática comum e nada tem a ver com objetivo comercial ou mesmo roubo com objetivo científico.

A água que o Amazonas despeja no Oceano Atlântico é rica em material particulado em suspensão. Mas qualquer pequena coleta pode ser suficiente para um estudo completo sobre o que contém – e isso é feito por meios legais, normais e saudáveis (embora não na escala recomendável). Quanto ao uso para outros fins, pelo menos para a costa dos Estados Unidos, o Amazonas já dá sua contribuição em larga escala – e gratuita. Avançando até 100 quilômetros no oceano, suas águas derivam para o norte pela força da corrente marítima, indo parar no litoral da Flórida.

Se não é para nos roubar água potável (com volumosa quantidade de sólidos em suspensão), então essa pirataria seria para recolher água rica em nutrientes para algum objetivo ainda não identificado (e, talvez, jamais identificável, por irreal). O campo ainda está aberto à imaginação e à especulação. Para delimitá-lo, a melhor atitude para o bem do país é, sem deixar de se manter atento, investir no conhecimento dos nacionais sobre sua própria riqueza.

O Brasil deve acompanhar com atenção e sempre com atualização o que pensam (e o que fazem) os estrangeiros sobre a – e na – Amazônia. Dispondo de mais recursos e com objetivos mais bem definidos, eles podem servir de espelho para refletir melhor o que os brasileiros e, em particular, os amazônidas, nem sempre conseguem ver, por falta de meios humanos, técnicos e científicos equivalentes.

O mais importante, porém, é saber e acompanhar o que os próprios nacionais pensam ou fazem, em numerosos casos dilapidando os recursos naturais ou os utilizando de forma irracional. Campeão em estoque de água doce do mundo, o Brasil é medíocre no seu manejo. Em Belém, que, por sua localização, serve de porta de entrada da Amazônia, um dos problemas que sua população – de quase 1,5 milhão de habitantes – enfrenta é a falta de água boa para beber, apesar da vasta massa que forma o estuário onde ela se situa. Este é o triste paradoxo atual, cuja visualização e compreensão as sempre vivas teorias conspirativas dificultam.

FONTE: http://colunistas.yahoo.net/posts/521.html

23 fevereiro, 2010

Farinha pouca, meu pirão primeiro...

Terra é incapaz de acompanhar ritmo atual de consumo de carnes e pescado

No topo absoluto da cadeia alimentar, os seres humanos se dão ao luxo de comer de tudo, mas a um preço elevado: a pesca massiva está levando as espécies marinhas à extinção, e a piscicultura polui a água, o solo e a atmosfera - o que precisa fazer com que mudemos de hábitos.

Alimentar a humanidade - nove bilhões de indivíduos até 2050, segundo as previsões da ONU - exigirá uma adaptação de nosso comportamento, sobretudo nos países mais ricos, que precisarão ajudar os países em desenvolvimento.

Segundo um relatório da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), publicado nesta quinta-feira, a produção mundial de carne deverá dobrar para atender à demanda mundial, chegando a 463 milhões de toneladas por ano.

Um chinês que consumia 13,7 kg de carne em 1980, por exemplo, hoje come em média 59,5 kg por ano. Nos países desenvolvidos, o consumo chega a 80 kg per capita.

"O problema é como impedir que isso aconteça. Quando a renda aumenta, o consumo de produtos lácteos e bovinos segue o mesmo caminho: não há exemplo em contrário no mundo", destacou Hervé Guyomard, diretor científico em Agricultura do Instituto Nacional de Pesquisa Agrônima da França (INRA), responsável pelo relatório Agrimonde sobre "os sistemas agrícolas e alimentares mundiais no horizonte de 2050".

Atualmente, a agricultura produz 4.600 quilocalorias por dia e por habitante, o suficiente para alimentar seis bilhões de indivíduos.

Deste total, no entanto, 800 se perdem no campo (pragas, insetos, armazenamento), 1.500 são dedicadas à alimentação dos animais - que só restituem em média 500 calorias na mesa - e 800 são desperdiçadas nos países desenvolvidos.

Por outro lado, o gado custa caro ao meio ambiente: 8% do consumo de água, 18% das emissões de gases causadores do efeito estufa (mais que os transportes) e 37% do metano (que colabora para o aquecimento do clima 21% mais que o CO2) emitido pelas atividades humanas.

E, mesmo que seja fonte essencial de proteínas, a carne bovina não é "rentável" do ponto de vista alimentar: "são necessárias três calorias vegetais para produzir uma caloria de carne de ave, sete para uma caloria de porco e nove para uma caloria bovina", explicou Guyomard.

Desta maneira, mais de um terço (37%) da produção mundial de cereais serve para alimentar o gado - 56% nos países ricos - segundo o World Ressources Institute.

Seria o caso, então, de reduzir o consumo de carne e substitui-lo pelo peixe?

Os oceanos não podem ser considerados uma despensa inesgotável, estimou Philippe Cury, diretor de pesquisas do Instituto de Pesquisas para o Desenvolvimento (IRD).

O número de pescadores é duas a três vezes superior à capacidade de reconstituição das espécies.

No atual ritmo, a totalidade das espécies comerciais haverá desaparecido em 2050.


FONTE: http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/

14 fevereiro, 2010

Raios que o partam!

Aquele ditado que diz que raio não cai duas vezes no mesmo lugar pode ser meio furado. E pode haver relação com a crise climática sofrida pelo planeta. Quem quiser que fique parado...


Brasil é campeão mundial de incidência de raios: 57 milhões em dez anos

Registro de pessoas mortas por fenômeno contabiliza 1.321 vítimas.
Cientistas do Inpe vão estudar eventual relação com crise climática.

O Brasil está em primeiro lugar na lista de ‘alvos’ de raios em todo o mundo. Em uma década, recebeu aproximadamente 57 milhões de descargas, que mataram 1.321 pessoas. Os números são do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Os cientistas também detectaram uma tendência de alta do fenômeno natural em território brasileiro e avaliam, agora, sua relação com as mudanças climáticas que afetam o planeta.

A hipótese é que cada grau de aquecimento da temperatura média global resulta em alta de 10% a 20% na incidência de raios. Osmar Pinto Júnior, coordenador do Elat, e sua equipe começaram um estudo específico para confirmar ou descartar essa relação. Os trabalhos científicos seguem até 2013.

Segundo o pesquisador, a motivação para o estudo veio de uma conferência do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática ( IPCC ) em 2007. “No encontro, foi levantada a hipótese de que os raios aumentariam o efeito estufa ao provocar mais incêndios em florestas, que por sua vez liberariam mais dióxido de carbono, alimentando um ciclo contínuo”, explica.

O projeto vai usar três fontes principais de dados: a Rede Integrada Nacional de Detecção de Descargas Atmosféricas (Rindat, com quase 60 sensores), informações do satélite Tropical Rainfall Measuring Mission (missão de mensuração de chuva tropical) e notações históricas (os primeiros registros datam de 1780, da cidade do Rio).

Para analisar as informações, o Inpe contará com quatro parceiros nos Estados Unidos: a Nasa, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) e a Universidade do Arizona.

O projeto também vai analisar a influência do Sol . Em ciclos de cerca de 11 anos aumentam as manchas na superfície solar e com elas o índice de radiação lançado pela estrela. Na Terra, isso é sentido por meio de alterações das partículas da atmosfera. “São elas que facilitam ou não a formação de gelo nas nuvens e os raios só ocorrem quando existe gelo no interior das nuvens”, diz Pinto Júnior.

A próxima ocorrência de aumento das manchas solares está prevista para 2012. (Bem na época em que foi prevista pelos maias o fim do Catum 13 -conhecido por muitos como o fim dos tempos dessa raça...) Coincidência também, ou não, no filme Presságio estrelado por Nicolas Cage, o mundo era literalmente torrado por uma explosão de radiação do Sol em direção à Terra (pequena pra ele, mas pra Terra...)

13 fevereiro, 2010

Leonardo Da Vinci - o mistério da Monalisa

Grande artista e inventor dentre outras atribuições, Da Vinci até hoje desperta curiosidade e espanto. A semelhança do gênio com a imagem da sua obra mais conhecida - a Monalisa - ainda continua atraindo atenção, estudos e muito dinheiro na tentativa de desvendar o mistério .


Cientistas querem exumar Da Vinci para provar semelhança com Mona Lisa

Pesquisadores querem reconstruir rosto de artista para testar teoria de que quadro seria autorretrato.

Um grupo de pesquisadores italianos quer exumar o corpo de Leonardo da Vinci para reconstruir o rosto do artista e confrontar a teoria de que o famoso quadro Mona Lisa seria um autorretrato.

A teoria ganhou força com sobreposições feitas de um autorretrato oficial de Leonardo com o rosto de Mona Lisa no quadro. Os estudos apontaram para diversos pontos e traços em comum entre as duas faces.

Os cientistas do Comitê Nacional para a Valorização dos Bens Históricos, Culturais e Ambientais da Itália pretendem exumar a ossada do pintor e, a partir da face, reconstruir sua cabeça."Somente a partir deles será possível reconstruir o rosto de Leonardo e confrontá-lo com o autorretrato conhecido dele e com a Mona Lisa", disse à BBC Brasil o antropólogo da Universidade de Bolonha Giorgio Gruppioni, um dos responsáveis pela pesquisa.A identidade da pessoa retratada no famoso quadro é tida como um dos grandes mistérios do mundo das artes. As teorias mais comuns são as de que La Gioconda seria a mãe de Leonardo ou a mulher de um mercador de Florença.

Restos mortais

Mas os cientistas terão de enfrentar vários desafios para recriar o rosto de Da Vinci. O primeiro será encontrar os restos mortais do artista.

Leonardo da Vinci morreu em 1519, aos 67 anos, e teria sido enterrado no castelo de Amboise, no vale do Loire, na França. Os proprietários do imóvel devem abrir suas portas para os estudos nos próximos meses.

Como o local foi alvo de saques ao longo dos séculos, não há certeza de que a sepultura seja mesmo a de Leonardo da Vinci
.

Justamente por isso, os herdeiros do castelo nunca incluíram a informação nos panfletos turísticos locais."Ali está escrito que, talvez, ele esteja enterrado ali. A ideia é demonstrar que aqueles ossos, existindo, sejam de Leonardo. Temos que retirar o material e analisá-lo", afirmou Gruppioni.O presidente do Comitê, Silvano Vincenti, iniciou o projeto quatro anos atrás. "As negociações continuam e esperamos que tudo dê certo. Temos tecnologia para avaliar sem fazer maiores escavações. Usaremos incursões com microssondas, uma câmera para filmar o interior da tumba e exames de imagens tridimensionais para verificar o estado da tumba e nos certificarmos da presença de ossos", afirmou ele à BBC Brasil.A etapa seguinte seria comprovar se os ossos, caso sejam mesmo encontrados, são de Da Vinci. Para isso, os pesquisadores estão na busca por descendentes vivos, o que é pouco provável, ou por familiares sepultados nos cemitérios da Itália, com maior probabilidade nos arredores de Bolonha. Essa é a parte mais complexa da pesquisa. "Ao extrair o DNA dos ossos teremos que compará-lo com o de alguém que tenha tido um grau de parentesco com Leonardo da Vinci", explica Gruppioni.Um ponto de partida já foi identificado mas ainda precisa ser melhor avaliado. "Encontramos um pintor, que seria um descendente de linha paterna de Leonardo da Vinci, enterrado em Bolonha, na virada dos séculos 15 e 16, mas temos que aprofundar a pesquisa", disse Vincenti.

Crânio

O último passo será a reconstrução do crânio, que poderá estar fragmentado. A equipe usará sistemas virtuais e métodos de morfologia para recompor as partes ausentes. "Podemos hoje dar respostas que dez anos atrás não seriam imagináveis", diz Vincenti.

A partir dos crânio, a face será restaurada em um computador e depois modelada em plástico. "O rosto é modelado segundo um protocolo de antropologia forense que requer a mão artística para dar forma às partes moles, de acordo com critérios anatômicos e científicos que não deixam espaço para a livre interpretação", explica Gruppioni.No caso da relação entre Mona Lisa e Da Vinci, Gruppioni se diz cético. "Não tenho elementos para afirmar que Leonardo, quando pintou a Mona Lisa, tenha decidido incluir traços seus. Acho pouco plausível, mas devemos investigar", disse ele, mais preocupado em desvendar o rosto de Leonardo da Vinci do que em constatar se ele tinha traços efeminados ou se teria sido homossexual."Acho que teremos fila para visitar a tumba de Leonardo caso a pesquisa chegue ao final com sucesso e desvende mais este mistério", concluiu.

FONTE: http://g1.globo.com/

Especial de Carnaval - A praga da dança


‘Praga da dança’ matou centenas de habitantes de Estrasburgo em 1518

Epidemia começou em julho, com mulher bailando sem parar por 6 dias.
Transe acabou envolvendo centenas de pessoas e durou até setembro.


Em julho de 1518, a cidade francesa de Estrasburgo, na Alsácia (então parte do Sacro Império Romano-Germânico) viveu um carnaval nada feliz. Uma mulher, Frau Troffea (dona Troffea), começou a dançar em uma viela e só parou quatro a seis dias depois, quando seu exemplo já era seguido por mais de 30 pessoas. Quando a febre da dança completava um mês, havia uns 400 alsacianos rodopiando e pulando sem parar debaixo do Sol de verão do Hemisfério Norte. Lá para setembro, a maioria havia morrido de ataque cardíaco, derrame cerebral, exaustão ou pura e simplesmente por causa do calor. Reza a lenda que se tratava de um bloco carnavaleso involuntário: na realidade ninguém queria dançar, mas ninguém conseguia parar. Os enlutados que sobraram ficaram perplexos para o resto da vida.

Para provar que a epidemia de dança compulsiva não foi lenda coisa nenhuma, o historiador John Waller lançou, 490 anos depois, um livro de 276 páginas sobre o frenesi mortal: “A Time to Dance, A Time to Die: The Extraordinary Story of the Dancing Plague of 1518”. Segundo o autor, registros históricos documentam as mortes pela fúria dançante: anotações de médicos, sermões, crônicas locais e atas do conselho de Estrasburgo.

Um outro especialista, Eugene Backman, já havia escrito em 1952 o livro "Religious Dances in the Christian Church and in Popular Medicine". A tese é que os alsacianos ingeriram um tipo de fungo (Ergot fungi), um mofo que cresce nos talos úmidos de centeio, e ficaram doidões. (Tartarato de ergotamina é componente do ácido lisérgico, o LSD.)

Waller contesta Backman. Intoxicação por pão embolorado poderia sim desencadear convulsões violentas e alucinações, mas não movimentos coordenados que duraram dias.

O sociólogo Robert Bartholomew propôs a teoria de que o povo estava na verdade cumprindo o ritual de uma seita herética. Mas Waller repete: há evidência de que os dançarinos não queriam dançar (expressavam medo e desespero, segundo os relatos antigos). E pondera que é importante considerar o contexto de miséria humana que precedeu o carnaval sinistro: doenças como sífilis, varíola e hanseníase, fome pela perda de colheitas e mendicância generalizada. O ambiente era propício para superstições.

Uma delas era que se alguém causasse a ira de São Vito (também conhecido por São Guido), ele enviaria sobre os pecadores a praga da dança compulsiva. A conclusão de Waller é que o carnaval epidêmico foi uma “enfermidade psicogênica de massa”, uma histeria coletiva precedida por estresse psicológico intolerável.

Outros seis ou sete surtos afetaram localidades belgas depois da bagunça iniciada por Frau Troffea. O mais recente que se tem notícia ocorreu em Madagascar na década de 1840.

FONTE: http://g1.globo.com/

12 janeiro, 2010

Mais terrremoto

Terremoto de magnitude 7 atinge o Haiti e alerta de tsunami é emitido

WASHINGTON - Um forte tremor de magnitude 7 atingiu o litoral do Haiti nesta terça-feira, informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos. Segundo a agência Associated Press, um hospital desabou em Petionville, subúrbio da capital, Port-au-Prince.

Por causa do terremoto, um alerta de tsunami foi emitido para Haiti, Bahamas, Cuba e República Dominicana. Ainda não há informações sobre vítimas ou danos.

"A ameaça de um tsunami extenso e destrutivo não existe com base em dados históricos de terremoto e tsunami", disse o Centro. "No entanto, há a possibilidade de um tsunami local, que pode afetar o litoral a não mais de 100 quilômetros do epicentro do tremor".

O epicentro do tremor foi 22 quilômetros a oeste de Port-au-Prince, de acordo com a agência americana. O terremoto foi seguido de dois tremores fortes, de magnitudes iniciais de 5,9 e 5,5.

Henry Bahn, um funcionário do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos que visita a cidade disse à AP que estava andando em direção ao seu hotel quando sentiu o chão tremer. "Todos estão assustados", disse. "O céu está cinza de tanta poeira".

O Brasil comanda cerca de 7 mil soldados da força de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti, enviada ao país em 2004, e tem cerca de 1.300 homens na região. O Ministério da Defesa brasileiro informou não ter informações se o terremoto teria afetado as forças brasileiras no Haiti.

Com Reuters e AP

FONTE: http://ultimosegundo.ig.com.br/


"Buliram muito com o planeta. E o planeta como um cachorro eu vejo, se ele já não aguenta mais as pulgas, se livra delas num sacolejo" Raul Seixas

Lixo, lixo ,lixo

Outras informações sobre lixo no Eco debate

http://www.ecodebate.com.br/2009/03/27/uma-ilha-flutuante-de-lixo-no-oceano-pacifico/

http://www.ecodebate.com.br/2009/06/09/relatorio-da-onu-conclui-que-plasticos-constituem-maior-parte-de-lixo-no-mar/

http://www.ecodebate.com.br/2010/01/06/para-salvar-o-planeta-salvem-os-oceanos


http://www.ecodebate.com.br/2010/01/04/leia-depois-das-festas-festeje-sem-emporcalhar-o-planeta

Terremotos no Brasil

Tremor de terra é sentido em 3 estados do Nordeste

Epicentro foi no Rio Grande do Norte, segundo laboratório sismológico.
Abalo teve reflexos em Pernambuco e Paraíba.

O tremor de terra registrado no Rio Grande do Norte, às 14h (horário de Brasília), teve reflexos em Pernambuco e na Paraíba. As informações preliminares do laboratório sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) indicam que a magnitude do tremor atingiu 3,8 na escala Richter, mas os dados das estações medidoras seguem em análise dos técnicos.

Segundo Eduardo Alexandre Menezes, do laboratório sismológico da UFRN, o epicentro do tremor pode ter sido em Poço Branco (RN), Taipu (RN) e João Câmara (RN), região que já viveu o susto de um abalo no sábado (9).

O tremor desta segunda-feira foi sentido em um raio de 300 quilômetros do epicentro e atingiu cidades dos estados vizinhos. "Estamos calculando a profundidade do tremor para sabermos a intensidade sísmica percebida pela população local", disse Menezes.

De acordo com Sérgio Leocádio, da Secretaria de Defesa Social de Natal, até as 17h (horário de Brasília), não houve registros de pedidos de socorro ou comunicação de imóveis danificados após o tremor na capital potiguar.

A administração do Natal Shopping informou que os clientes sentiram o abalo no horário de pico (almoço), quando algumas pessoas frequentavam a praça de alimentação. Por dia, cerca de 20 mil pessoas circulam pelo estabelecimento, mas não há como precisar quantas estavam no shopping no momento do tremor. Ninguém ficou ferido e não houve danos na estrututura do prédio.

Série de abalos

Joaquim Ferreira, coordenador do laboratório sismológico da UFRN, disse ao G1 que temia que novos tremores pudessem ser registrados no estado após o primeiro abalo ocorrido no sábado. Naquela ocasião, o tremor foi sentido em João Câmara, Poço Branco (RN), Taipu (RN), Ceará-Mirim (RN) e em alguns bairros de Natal.

O tremor de terra registrado no sábado foi maior do que os equipamentos apontaram inicialmente e teve epicentro em Taipu (RN), local diferente do que havia sido apontado pelas estações medidoras. Uma nova medição de técnicos potiguares indicou que o abalo atingiu magnitude de 2,7 graus, podendo chegar a até 3 graus na escala Richter.

A magnitude preliminar aferida pelo Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB) foi de 2 graus na escala Richter, com epicentro em João Câmara (RN).

O coordenador afirmou que os últimos registros de tremores na região ocorreram em 1997.

Tremores em 2010

Este foi o segundo registro de tremor no prazo de uma semana no país. No sábado (2), os equipamentos do observatório registraram um tremor em Sobral (CE), que atingiu magnitude de 2,7 graus na escala Richter.

Casos recentes

Dois equipamentos do Serviço Geológico do Brasil (SGB) registraram dois abalos em Presidente Figueiredo (AM), em 30 de dezembro de 2009. Cada um dos tremores atingiu 2,4 e 3 graus na escala Richter.


FONTE: http://g1.globo.com/